Cobertura coletiva #VIBrazilConfProz

Pronoia Tradutória
Sem categoria

Antes de mais nada, gostaria de mencionar que participar da VI Conferência do ProZ, em Curitiba, foi uma experiência muito enriquecedora. Como muitos dos leitores já devem saber, ingressei totalmente na tradução há meses e esse foi o primeiro evento do qual participei. Encontrar colegas com quem já tive muito contato nas redes e conhecer novos profissionais que já atuam na área há muitos anos foi realmente gratificante. A conferência foi muito bem organizada e o melhor de tudo, o local do evento era próximo aos hotéis sugeridos, o que facilitou o deslocamento. Parabéns à equipe que cuidou de todos os detalhes e nos recebeu de forma tão receptiva.

A abertura oficial foi na sexta-feira, às 18h. Isabel Vidigal, Sheila Gomes, Ângela Levy, Marta Stelmaszak-Rosa e Paula Ribeiro deram uma prévia do que estava por vir. Nesse momento, já sabíamos que seria um grande evento. E, surpreendendo a todos, Dilma Machado nos presenteou cantando duas músicas. Foi ótimo ver mais uma de suas qualidades, além de uma excelente dubladora e tradutora para dublagem. Por sinal, não posso deixar de mencionar a ausência de uma palestra sobre tradução para dublagem. Foi uma pena porque é um gênero muito interessante da tradução e tenho certeza de que muitos colegas gostariam de saber mais detalhes sobre ele. Fica a dica para os próximos eventos.

No sábado, pela manhã, pudemos ouvir ótimas histórias verídicas contadas por Ângela Levy durante sua palestra: “Qualidades e conhecimentos necessários a desenvolver para tornar-se um tradutor e intérprete realmente profissional com P maiúsculo”. Foi uma aula repleta de orientações para tradutores, principalmente para os que estão ingressando na carreira de intérpretes. Ângela falou sobre alguns desafios enfrentados por ela no início da carreira mencionando situações delicadas com as quais teve que lidar, incluindo até questões éticas. Sem dúvida, não foi só uma palestra, mas uma lição de vida.

Seguindo a programação, optei por prestigiar nosso querido colega, Thiago Hilger, que apresentou a palestra Expressão regular: uma poderosa arma para o tradutor. Escolhi essa sessão, pois já tinha ouvido falar sobre o termo, mas queria ir um pouco mais a fundo e fiquei surpresa. Quando terminamos uma tradução, normalmente revisamos nosso trabalho para nos certificarmos de que não deixamos passar erros como, por exemplo, uma simples troca de letras. Mas, mesmo com o auxílio do corretor ortográfico, esses erros podem ocorrer e uma possível solução seria utilizar as expressões regulares que podem, através de símbolos predefinidos, nos ajudar a encontrar algum erro imperceptível aos nossos olhos. Foi uma palestra muito interessante e que, na minha opinião, poderia ser revertida posteriormente em um curso webinar. Gostei muito.

A primeira palestra da tarde foi: A translator, an entrepreneur or both?. Entre a abordagem de itens relevantes na carreira de um tradutor, Marta Stelmaszak-Rosa enfatizou a importância de uma análise cuidadosa sobre nossos projetos, nos vendo não como simples tradutores, mas como empresários, administradores de nossas próprias carreiras. Como definimos e avaliamos os critérios e qualificações de um bom tradutor? Como nos vemos e nos posicionamos nesse mercado? O que planejamos para nosso futuro e como alcançamos os objetivos que definimos? Esses foram só alguns dos questionamentos levantados pela Marta durante sua palestra e que nos servem como uma ótima lição de casa.

O programa ainda teve mais surpresas. Dentre as várias opções, minha curiosidade dessa vez falou mais alto. Localização de jogos, apresentada por Sheila Gomes, Thiago Hilger, Luiz Fernando Alves e Thomas Melo, foi a palestra que escolhi e a que mais me surpreendeu. Na minha mente, localização de jogos era uma tradução muito prazerosa. Já imaginaram jogar, se divertir e ainda ganhar por isso? Qual não foi a minha surpresa quando me deparei com a realidade. Gostar muito de jogos é um ponto positivo, sem dúvida, mas não é tudo. Os projetos não são tão fáceis de serem realizados, exigem muita dedicação, pois em muitos casos o tradutor só recebe o vídeo do game bem depois do roteiro, ou seja, ele trabalha no escuro, apenas com uma planilha. É um projeto interessante, mas muito diferente do que eu imaginava. A palestra foi muito boa e muito esclarecedora.

Às 16h30, participei de uma miniconsultoria com Carolina Walliter. Essas miniconsultorias foram previamente agendadas pelas organizadoras do evento. Apesar da curta duração (somente vinte minutos), consegui várias dicas e orientações durante nosso bate-papo. É bom quando podemos falar com colegas mais experientes, que nos ajudam a sanar nossas dúvidas, nos incentivam e compartilham informações. A ideia dessas consultorias é ótima. O único problema é que elas tomam um pouco do tempo de alguma outra palestra que você queira assistir, que foi o meu caso.

Depois da consultoria com a Carolina, corri para assistir à última palestra do sábado, Panorama da revisão, ministrada pelas colegas Kelli Semolini e Giovana Boselli. Infelizmente, essa palestra teve curta duração. Por ser um assunto tão rico e tão importante, mereceria umas duas horas, no mínimo! Os tradutores conhecem a importância de uma revisão, mas é bom quando ouvimos o outro lado, o dos revisores. Foi ótimo saber um pouco mais sobre o trabalho deles, os problemas que enfrentam quando revisam um texto, os curtos prazos de entrega de um projeto, a relação entre eles e os tradutores, a questão do feedback ao tradutor, entre tantas outras particularidades desse trabalho. Parabéns, Kelli e Giovana. Excelente palestra.

Comecei o domingo com a palestra Como me destacar no ProZ e atrair clientes, na qual Isabel Vidigal deu várias dicas sobre como aproveitar o site do Proz, ferramenta extremamente útil ao tradutor que busca ser reconhecido e contratado para realizar projetos de diferentes gêneros de tradução. Esse assunto é muito diversificado e também mereceria uma duração maior, pois como Isabel mesma disse, há muitos benefícios que podem ser extraídos do site e muitas pessoas ainda não sabem como tirar proveito deles, mesmo não sendo um membro pagante. Isabel explicou que no site há várias maneiras de se tornar “visível” aos clientes, seja por meio de um perfil bem elaborado, participação em fóruns, pesquisas direcionadas, aquisição de pontos e consequente subida no ranking de tradutores requisitados, entre outros recursos disponíveis. Minha sugestão seria um webinar mais detalhado sobre esse assunto.

Infelizmente, não pude estar presente em todas as palestras, por isso meu critério de seleção foi baseado nos gêneros de tradução mais próximos ao meu objetivo profissional e aqueles completamente desconhecidos; todos, sem exceção, atenderam muito bem a minha expectativa. Optei por falar um pouco sobre uma palestra que me chamou muito a atenção, não só pela ótima habilidade do palestrante em transmitir de forma clara e objetiva o conteúdo do que estava sendo exposto, mas também porque foi uma palestra muito bem estruturada: Como diz a legenda, apresentada pelo colega Luiz Fernando Alves. Com uma breve retrospectiva histórica sobre o início do processo de legendagem, Luiz foi nos mostrando aos poucos um conteúdo mais técnico da elaboração de uma legenda, explicando sobre duração, caracteres, posicionamento, pausas, entrada e saída de falas e outros detalhes. Devo confessar que nesse momento imaginei que a palestra seria bem didática e foi justamente o contrário. O que vi foi uma sequência muito bem ordenada de todos os aspectos do trabalho da legendagem, passando pelo mercado atual, pelos desafios e exigências da área e tudo isso em um curto período de tempo. Foi uma das melhores palestras de toda a conferência, envolvente, repleta de exemplos e muito bem ministrada. Parabéns, Luiz. Fantástico!

Após o almoço, assisti à palestra de Sheila Gomes, CAT tools e outros recursos para aumentar a produtividade. No início, pensei que Sheila abordaria apenas alguns recursos de CAT tools, mas foi bem mais abrangente. Ela nos apresentou diversas opções de software para tornar nosso dia mais produtivo, para que facilitar nosso planejamento, nossa organização e administração. Infelizmente, muitas dicas dadas não constavam nos slides apresentados, apesar de terem sido mencionados durante a palestra e ela, de maneira atenciosa, nos ter dado a liberdade de solicitá-los por e-mail. Minha sugestão para um próximo evento seria a inclusão desses links no slide da palestra.

Minha participação na conferência terminou mais cedo em virtude da volta para São Paulo, mas ficou aquele gostinho de “quero mais”. O evento foi muito bom, repleto de temas interessantes e atuais, com ótimas oportunidades de networking. Foi ótimo poder ter esse contato pessoal com colegas de profissão. Parabéns a todos!

ligia-ribeiro

 

 

Ligia Ribeiro é tradutora para dublagem e membro da Abrates. Cursa pós-graduação em tradução (inglês/português) e tem experiência com traduções corporativas, com especialidade nas áreas de administração, indústria farmacêutica e alimentícia. E-mail para contato: ligiaribeiro.translator@gmail.com

Postagens Relacionadas

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *